Contos da Mega-Sena

sexta-feira, junho 17, 2011 Clovisnáilton


O aposentado sortudo da RFFSA

Seu José Nepomuceno entrou na Rede Ferroviária Federal em meados de 1960 como maquinista. Funcionário de uma empresa estatal, bem remunerado e com estabilidade de emprego, logo despertou o interesse das moças do bairro que morava e de outros bairros distantes também. Começou namorar Maria, com quem se casou em 64, época da revolução. Tiveram 3 filhos o casal e, quando estava para nascer o último, José se engraçou com uma moça da Moóca, de nome idêntico à esposa. 

Homem de posse e por demasiado namorador, desposou como concubina a segunda Maria, que apaixonada pelo homem elegante, aceitou a situação de outra, desde que lhe desse amor idêntico à esposa. José comprou-lhe casa, ajudava nas despesas e, com a amante, teve 3 filhas. 

De segunda à sexta, impreterivelmente ia para o trabalho às 5 da manhã e voltava por volta das 18 horas. No sábado, também trabalhava o dia inteiro - assim pensava a esposa. Em vez disso, passava o dia na casa da amante e das filhas. Também ia para a casa da amante todo dia que o Vasco jogava, seja no Maracanã ou São Januário. Para a primeira Maria, dizia que iria ao estádio, mas ia à Moóca ouvir pelo radinho à pilha o jogo do seu time.

Seu João, além de torcedor do time da colina, também gostava de fazer uma fezinha na Loteria Esportiva e sempre arriscava um ou dois jogos nas modalidades de jogos oferecidos pela Caixa. Um belo dia, já neste século e devidamente aposentado do trabalho da Rede Ferroviária, Seu João, no alto dos seus setenta anos bem vividos entre duas famílias, ganhou uma boa quantia na Mega-Sena. 

Foi ao banco e depositou todo o dinheiro em duas contas poupança: uma para a Maria, esposa, e outra para Maria, amante. Daquele dinheiro não retirou nem um centavo sequer. 

Em mais de quarenta anos, alternando entre a primeira e a segunda família, Seu José aprendeu que a discrição é a melhor maneira de manter os segredos como segredos. A sua vida já era boa e complicada demais sem dinheiro... imagine com.

0 comentários:

Postar um comentário